pagina inicial
Tartarugas Marinhas
Visite o Tamar
O que fazemos
Onde estamos
Mais informações

Rede Biomar

A Rede de Projetos de Biodiversidade Marinha (BIOMAR) reúne projetos patrocinados pela Petrobras, através do Programa Petrobras Socioambiental, que tem por objetivo a conservação da biodiversidade marinha no Brasil, atuando na proteção e pesquisa de espécies e dos habitats relacionados. Atualmente fazem parte da Rede Biomar os projetos Tamar, Baleia JubarteCoral Vivo, Golfinho Rotador e Albatroz. Um balanço das ações realizadas desde 2007 inclui resultados positivos com objetivos de:

- Ampliar a produção e a divulgação do conhecimento técnico e científico para a conservação da biodiversidade marinha; 
- Subsidiar e acompanhar a formulação e a aplicação das políticas públicas voltadas para a conservação marinha; 
- Promover aumento de consciência e comportamentos alinhados à conservação ambiental; 
- Promover inclusão social das comunidades que vivem nas áreas de atuação dos projetos; 
- Apoiar o desenvolvimento e a gestão dos projetos participantes da rede.

Espécies protegidas

São quinze as espécies marinhas, além dos recifes de coral, pesquisadas, protegidas e monitoradas pelos projetos participantes:

- Baleia-jubarte (Megaptera novaeangliae)
- Golfinho-rotador (Stenella longirostris)
- Tartaruga-cabeçuda (Caretta caretta)
- Tartaruga-de-couro (Dermochelys coriacea)
- Tartaruga-de-pente (Eretmochelys imbricata)
- Tartaruga-oliva (Lepidochelys olivacea)
- Tartaruga-verde (Chelonia mydas)
- Albatroz-de-Tristão (Diomedea dabbenena)
- Albatroz-de-sobrancelha-negra (Thalassarche melanophris)
- Albatroz de-nariz-amarelo-do-Atlântico (Thalassarche chlororhynchos)
- Albatroz-viageiro ou albatroz-errante (Diomedea exulans)
- Albatroz-real-do-norte (Diomedea sanfordi)
- Albatroz-real-do-sul (Diomedea epomophora)
- Pardela-preta (Procellaria aequinoctialis)
- Pardela-de-óculos (Procellaria conspicillata).

Estão classificadas na lista nacional de espécies ameaçadas de extinção (MMA, 2009), em diferentes graus de ameaça, com exceção do golfinho Stenella longirostris, que mesmo com a escassez de informações sobre a espécie, requer cuidados. Além de ser um dos principais alvos do turismo de observação de cetáceos no Brasil, esta é a terceira espécie de cetáceo mais capturada em redes de pesca no mundo.

Com suas populações ameaçadas e seus habitats em desequilíbrio, essas espécies sofrem com problemas comuns que afetam a conservação ambiental na zona costeira e marinha. Entre os problemas no Brasil, destacam-se o uso e a ocupação desordenada do solo na zona costeira; a poluição química, orgânica, sonora e por lixo; o turismo desordenado; a sobrepesca e pesca predatória; o tráfego acentuado e desordenado de embarcações; e as mudanças ambientais. Ainda existem problemas específicos aos animais, como a caça comercial de baleias em águas internacionais e a captura incidental de golfinhos, tartarugas, baleias e albatrozes em artes de pesca.

Para minimizar esses fatores de ameaça às espécies e otimizar recursos para sua proteção, a Rede BIOMAR busca integrar os esforços de conservação marinha, através do fortalecimento das instituições que a compõem e da sua capacidade de articulação, identificando pontos de intersecção e oportunidades em suas ações de pesquisa, manejo, conservação, educação ambiental, capacitação profissional e envolvimento socioambiental.

- Acesse as publicações científicas dos parceiros da Rede BIOMAR.

- Visite a exposição da Rede BIOMAR.

- Assista o documentário da Rede BIOMAR.

- Se quiser baixar o documentário, clique aqui.
(Clique com o botão direito do mouse e selecione "Salvar link como").