pagina inicial Petrobras
Tartarugas Marinhas
Visite o Tamar
O que fazemos
Onde estamos
Mais informações

Pesquisa identifica zonas de risco para as tartarugas de couro no Oceano Atlântico

18/03/2014 - Esforços internacionais urgentes são necessários para proteger a espécie. Leia mais. ↓

Pesquisa identifica zonas de risco para as tartarugas de couro no Oceano Atlântico

Tartaruga de couro libertada de linha de espinhel

As últimas grandes populações da tartaruga de couro (Dermochelys coriacea) do mundo estão em risco porque suas principais rotas migratórias no Oceano Atlântico coincidem com os locais de maior concentração da pesca industrial de espinhel, que é realizada com anzóis. Um estudo recente atestou que são necessários esforços internacionais conjuntos e urgentes para proteger a espécie. A pesquisa contou com a colaboração de especialistas de 12 países dos quartro continentes, que trabalham na conservação e pesquisa das tartarugas de couro no Oceano Atlântico, entre eles os do Projeto Tamar.

Entre os anos de 1995 e 2010, 106 tartarugas de couro foram monitoradas no Atlântico, através de transmissores por satélite. Dados e informações foram analisados e cruzados com o conhecimento acumulado sobre a pescaria de espinhel. Foram identificadas nove áreas com maior risco de captura acidental de tartarugas, sendo quatro delas no Atlântico Norte e cinco no Atlântico Sul. Algumas dessas áreas ficam em águas profundas internacionais, a mais de 200 milhas náuticas da terra, e outras dentro das zonas econômicas exclusivas (águas nacionais costeiras) do Reino Unido, EUA, Cabo Verde,  Gâmbia, Guiné-Bissau, Mauritânia, Senegal, Espanha, Saara Ocidental, Angola, Brasil e Namíbia.

Fonte: 'Pan-Atlantic analysis of the overlap of a highly migratory species, the leatherback turtle, with pelagic longline fisheries.

Perigo o ano todo - Especificamente no Atlântico Sul, das cinco áreas de maior suceptibilidade por este tipo de pescaria, a localizada ao longo da costa sul do Brasil persistiu durante todo o ano, pois há atividade pesqueira contínua, enquanto outras localizadas no Atlântico Equatorial Central e as Bacias do Cabo, Angola e Guiné foram sazonais. O estudo constatou que mais de quatro bilhões de anzóis foram utilizados em todo o Oceano Atlântico pela pesca industrial em 15 anos, o equivalente a 730 mil anzóis por dia.

Dr. Matthew J. Witt, da Universidade de Exeter, na Inglaterra, disse que este estudo destaca claramente a natureza transfronteiriça dos movimentos sazonais da tartaruga de couro e o esforço multinacional necessário para planejar e executar medidas capazes de proteger esta espécie tão ameaçada pela pesca. Para o pesquisador, é essencial unir esforços entre cientistas e a indústria pesqueira, para  garantir que estes e futuros estudos possam evoluir e subsidiar a criação de políticas públicas capazes de minimizar o problema da captura incidental.

 

Tartaruga Tartaruga-de-couro ou Tartaruga-gigante

Oceanário de Aracaju - SE

Centro de Visitantes

Mais informações - Visualizar informações anteriores

Petrobras